Piquete 121 Anos.

Piquete 121 Anos



Reinaldo Cabral
 
Piquete completa 121 anos no dia 15 de junho e comemora com seu tradicional desfile cívico, um dos mais belos da região. O Bairro de Piquete pertenceu à cidade de Lorena até o ano de 1891, quando se  transformou em vila e, oficialmente, no ano 1915, em cidade. Localizada à 17 km de Lorena, com acesso pela rodovia BR-459 ligando Lorena a Itajubá, está com acesso à rodovia presidente Dutra, e  a SP-183 a  Christiano Alves da Rosa, a qual liga à cidade de cruzeiro.


Quando alguém da  região e de outras cidades se recorda de Piquete, provavelmente a maioria deve lembrar-se do “Pico dos Marins” e do enigmático caso do desaparecimento de um menino escoteiro, até hoje não desvendado, ou associar a cidade a   IMBEL – “Indústria de Material Bélico do Brasil”, a qual foi a grande responsável pela estruturação da cidade no inicio do século XX, empregando milhares de seus moradores e também de outras vizinhas, vivendo assim várias décadas de glórias, quando foram erguidos muitos edifícios em estilo neocolonial, como cassinos, clubes recreativos, prédios educativos e outros que serviram de cinemas.  Sob a influência militar que imperava na cidade por ser uma área considerada de segurança, alguns prédios desses, atualmente, estão cedidos à municipalidade.
Uns dos mais conhecidos da região que se tornou  cartão postal da cidade é o “Clube Elefante Branco”, o qual  acolheu muitos valepaibanos em seus grandiosos eventos. Este prédio de propriedade da IMBEL esteve cedido à prefeitura que o revitalizou na gestão municipal de 2005 a 2008. Porém, o tempo foi implacável com o “Tradicional Elefante Branco” e hoje, novamente abatido e alaranjado, está com suas portas fechadas. Na área interna da IMBEL estão outros prédios entre os quais o Memorial Rodrigues Alves, em ótimo estado de conservação, com mostra de antigos equipamentos de produção bélica e uma linha de tempo com fotos à disposição dos turistas.
Não temos informações de leis de proteção e preservação visual aos  prédios externos da área da IMBEL, os quais são um patrimônio cultural e histórico para a região e ao Brasil.

O tempo segue, a fábrica de Pólvora já não emprega os quase 5 mil profissionais de uma cidade que tinha 15 mil habitantes nos meados do século XX.

De forma natural, por sua beleza e proximidade com a Serra da Mantiqueira, a cidade é reconhecida como “Cidade Paisagem”. Além de seus amplos aspectos culturais baseados em sua origem, através de suas trilhas para os que vinham do estado de Minas Gerais e se aportavam na cidade, portal do vale do Paraíba, foram-se agregando elementos e surgindo suas referências culturais espontâneas e assim surgindo suas tradicionais festas, tanto as das devoções aos santos quanto as profanas. E os cavaleiros,  sempre associados a esse cenário.
Surge, então, a Festa do Tropeiro, que é realizada no mês de julho, ligada com a Festa do Peão intitulada de “Piquetão”. Essa última, mais de aspecto comercial, porém bem aceita e compreendida, com seus shows e artistas sertanejos e pops de plantão, com suas cervejas e  calabresas.

Ainda na área cultural, a cidade de Piquete realiza uns dos eventos carnavalescos dos mais diferenciados, com os tradicionais “Boizinhos de Piquete”, quando a criançada corre pelas ruas com fantasias de “cabeças de bois”. Evento esse que conta ainda com blocos e pequena escola de Samba, cujos enredos sempre foram associados à vivência e história locais. A cidade recebe milhares de visitantes no período carnavalesco.
Entre as demais demonstrações culturais estão os Grupos de Jongo, a tradicional Festa de são Miguel, padroeiro da cidade,  as festas dedicadas aos santos, os eventos religiosos, corpus christi e outras.

Ultrapassando as abóbodas do Pórtico,  o visitante se aporta na tradicional Praça “Duque de Caxias”, com seus quiosques, suas palmeiras e aquele tranquilo banco interiorano, ao lado do  recinto de eventos, com 16 mil metros quadrados e sua boa infraestrutura. Pousadas e bons restaurantes estão a serviço dos turistas. Por fim, cidade de gente acolhedora, que se projeta para o futuro como município de fortes elementos turísticos, está inserida no "Circuito Mantiqueira". No esporte regional foi representado pelo futebol do “Estrela” com suas memoráveis jornadas esportivas. Atualmente, tem um filho ilustre no esporte nacional, o Jogador de futebol “Triguinho”, o que jogou em clubes internacionais e nos nacionais mais reconhecidos.

Por fim, mais uma cidade do Vale do Paraíba que inspira as crônicas, que sempre trazem uma antiga estação ferroviária, guardando suas pitorescas  histórias romanceadas  ou as duras despedidas de seus heróis que enfrentaram, nas trincheiras, as explosões  e o fogo do “Dragão”.  

Porém, a linha férrea que conduz a essas lembranças... Hoje está apenas nas memórias... Os ferros e os dormentes dessa trilha... o “tempo levou” e se descuidarem levam os que ainda restam!